🔮 Nova guerra fria? A política externa de China, EUA e Brasil

Durante o governo do Partido dos Trabalhadores (Lula, 2003-10; Dilma 2011-2016), o Brasil tornou-se um ator importante no cenårio geopolítico latino-americano e global, especialmente por seu papel nos BRICS, Mercosul, UNASUL e CELAC. O Presidente Lula e a presidenta Dilma, bem como o Ministro das RelaçÔes Exteriores Celso Amorim, entre outros, fizeram muitos esforços para desenvolver uma nova multipolaridade na política global, inclusive trabalhando muito próximos da China.
O ex-presidente Lula declarou recentemente em uma reuniĂŁo do “Grupo de Puebla”: “Estou convencido de que os EUA jamais tolerarĂŁo o protagonismo dos paĂ­ses da AmĂ©rica Latina”.
Desde o golpe de 2016, o Brasil se distanciou, de fato, da articulação dos BRICS e se realinhou com os EUA.
Ao mesmo tempo, o comércio bilateral entre a China e o Brasil em 2020 chegou a cifra recorde de R$ 553 bilhÔes e o superåvit brasileiro teve alta interanual de 7,3%, atingindo R$ 190 bilhÔes de reais, ou cerca 70% do superåvit total.
No caso da pandemia, o Brasil assinou acordos para a produção das vacinas Coronavac (chinesa) e AstraZeneca (britĂąnica), mas os insumos para ambas vĂȘm apenas da China, colocando o Brasil em uma posição dependente do paĂ­s asiĂĄtico.

Talvez por causa disso, Bolsonaro tinha diminuĂ­do seus constantes ataques pĂșblicos contra a China, e, aparentemente, desistiu de sua intenção de excluir a Huawei do leilĂŁo do 5G no paĂ­s (que deve acontecer atĂ© fim de junho). Mas essa semana, ele voltou a atacar a China de forma inconsequente mais uma vez. 🔔 Inscreva-se, ative o “sininho” e receba os conteĂșdos da TVT đŸ“± Fortaleça a TVT. Seja membro do nosso canal! Veja como: https://bit.ly/2VT0hI0

You May Also Like